Conecte-se conosco

Destaque

Brasil impõe virada épica e bate Argentina no vôlei masculino nas Olimpíadas

Publicado

em

Quando a volta por cima parecia improvável, a virada. Em uma noite em que tudo parecia dar errado, o Brasil soube ressurgir em meio aos erros. Na marra e no talento, a seleção brasileira ignorou qualquer distância no placar para conseguir uma virada heroica no clássico contra a Argentina. Em 3 sets a 2, parciais 19/25, 21/25, 25/16, 25/20 e 16/14, os campeões olímpicos mostraram força rumo à segunda vitória nas Olimpíadas de Tóquio.

A vitória evita um drama antecipado e dá certo conforto na reta final da fase de classificação. No grupo mais difícil em Tóquio, o Brasil ainda encara três favoritos ao pódio em busca de uma vaga nas quartas de final. Na próxima quarta-feira, enfrenta a Rússia. Depois, em sequência, pega Estados Unidos e França. Os quatro melhores de cada chave avançam.

Como fica?

A vitória mantém o Brasil na parte de cima da classificação do grupo B, ao lado da Rússia, também com dois triunfos. A seleção de Renan Dal Zotto, porém, leva desvantagem no número de pontos: 6 contra 5. Abaixo, França e Estados Unidos somam uma vitória cada. Argentina e Tunísia seguem zeradas.

Próximo jogo

A seleção volta à quadra na próxima quarta-feira, às 9h45. Vai encarar os russos, líderes do grupo. A TV Globo e o SporTV transmitem a partida ao vivo, e o ge acompanha tudo em tempo real.

1° set: Argentina se impõe e larga na frente

Um saque de Conte na rede, uma diagonal de Wallace. Logo de cara, o Brasil abriu 2 a 0 na conta. A resposta do outro lado, porém, foi rápida. A Argentina logo virou o placar e marcou 6/3. Renan não quis esperar. Pediu tempo e tentou arrumar a casa. Conseguiu. O Brasil voltou a reagir e tomou a frente. Um bloqueio de Lucão sobre Solé fez com que a seleção abrisse 11/9.

Nenhuma vantagem àquela altura, porém, durava muito. A Argentina foi buscar mais uma vez. E, dessa vez, para não abrir mais espaço para qualquer reação do Brasil. Pelas mãos de Bruno Lima, os Hermanos tomaram a frente e passaram a dominar o jogo. Renan tentou mudar ao colocar Maurício Souza no lugar de Isac. Não deu certo. Com muitos erros na reta final, o Brasil caiu por 25/19.

2° set – Brasil se perde em erros, e Argentina amplia

Na volta à quadra, pouco mudou. A Argentina seguiu melhor. Com uma defesa forte e um ataque eficiente, os rivais abriram 9/6 na contagem. Renan, então, parou o jogo. Na tentativa de melhorar o passe da equipe, sacou Leal e mandou Douglas Souza à quadra. Funcionou. O Brasil melhorou à medida que Lucarelli também passou a ser mais acionado. Aos poucos, a seleção encostou no placar. Em um bloqueio do ponteiro, reduziu a diferença para apenas um ponto 13/14.

O jogo, porém, seguiu tenso. A Argentina se manteve forte, principalmente na defesa. O Brasil, por sua vez, ainda que tivesse melhorado, cometia erros. Faltava intensidade. Mais uma vez, a equipe de Renan viu os rivais abrirem: 21/17. Bruninho deu lugar a Cachopa, e Lucarelli saiu para a entrada de Maurício Borges. Não funcionou. Solé, com mais uma pancada, fechou a conta: 25/21

3° set – Brasil, enfim, reage

Ao Brasil, só restava a reação, mesmo que fosse na marra. Renan voltou à quadra com Leal, mas manteve Cachopa no lugar de Bruninho. A mudança, dessa vez, funcionou. O ponteiro, enfim, despertou no ataque e passou a comandar o time. A seleção pulou na dianteira e abriu 5/1 até com certa tranquilidade. Do outro lado, foi a vez de Marcelo Méndez se preocupar. O técnico argentino, porém, viu seu time perder em intensidade e ceder espaço para a reação brasileira.

A seleção de Renan conseguiu manter o mesmo ritmo. Em seu melhor momento, abriu 18/11 no placar. A pressão mudou de lado, e a Argentina passou a ceder pontos de graça para o time brasileiro. Cachopa, muito bem na parcial, deu outra dinâmica ao time. Foi dele, inclusive, o último ponto do set, que manteve o Brasil vivo na partida: 25/16.

4° set – Brasil busca set perdido e força o tie-break

Uma bola para fora de Conte abriu a contagem na parcial. Mas a Argentina conseguiu voltar ao jogo. Ainda que a seleção tentasse manter o mesmo nível do set anterior, os rivais abriram 6/3 depois de um ataque de Bruno Lima explodir no bloqueio de Maurício Souza e ir para fora. Renan logo parou o jogo. Pouco adiantou. Na intensidade de Facundo Conte, os rivais dispararam e abriram 12/6.

Renan ainda tentou voltar à quadra com Bruninho. Por um momento, a diferença no placar diminuiu. A Argentina, porém, não se assustou e manteve o ritmo. Em uma última tentativa de mudança, Alan foi para o jogo. Por um momento, não pareceu funcionar. Mas o Brasil conseguiu ressurgir em uma virada heroica. Com 15/9 no placar, reagiu aos poucos até retomar a frente. Era outra seleção. Era, enfim, uma seleção campeã olímpica. No ataque de Leal, 25/21 e a garantia do tie-break.

5° set – Virada na marra e heroica

Um ace de Lucarelli abriu o caminho no quinto set. O jogo, porém, se manteve tenso. As seleções se alternaram na dianteira. A Argentina marcou 8/7 em lance de talento do levantador De Cecco. Pouco depois, o Brasil viu os rivais abrirem 11/9. Renan pediu tempo e tentou arrumar a casa na reta final. Funcionou. Em dois ataques seguidos, Leal explorou o bloqueio para deixar tudo igual. Foi a vez de Marcelo Méndez parar o jogo. Maurício Souza fechou a porta para o ataque argentino e colocou o Brasil à frente. Para não sair mais: 16/14, em uma virada épica.

Renan dal Zotto fala sobre a vitória

“Já sabia que ia ser um jogo tenso porque Brasil e Argentina o script é sempre o mesmo, jogo tenso, duro, longo. Um time que jogou com um volume muito grande, defendendo como nunca, hoje a linha de passes dele funcionou tremendamente nos dois primeiros sets mesmo com o nosso saque sendo forçado. Fiquei feliz pela vitória, que era muito importante, e pela demonstração de equipe que demos”, disse o treinador após a partida.

 

 

 

Fonte: Globo Esporte

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.