Conecte-se conosco

Destaque

Prefeitura de Osvaldo Cruz protocola junto ao Governo do Estado um ofício especial onde pede estudo específico para a flexibilização da economia local

Publicado

em

A Prefeitura de Osvaldo Cruz informou nesta quarta-feira que protocolou junto ao Governo do Estado um ofício especial onde pede estudo específico para a flexibilização da economia da cidade.

De acordo com o documento, uma realidade diferente é registrada daquela da análise feita pelo Estado junto à Direção Regional de Saúde de Marília.
Segundo o entendimento da Prefeitura de Osvaldo Cruz, Marília tem uma área de abrangência grande e composta por cinco microrregiões (Marília, Assis, Ourinhos, Tupã e Adamantina).
Assim, são 62 municípios com população aproximada de 1,2 milhão de habitantes, enquanto Osvaldo Cruz conta com menos de 35 mil habitantes.
O pedido se justifica em razão da grave dificuldade econômica vivida pelos comerciantes e prestadores de serviços locais.
A Prefeitura quer que a equipe técnica da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo dê condições para um estudo próprio para a realidade de Osvaldo Cruz e assim flexibilizar as atividades não essenciais.
A ideia é o atendimento presencial de apenas uma cliente por vez em estabelecimentos não essenciais.
A Prefeitura se comprometeu em seguir os protocolos sanitários rígidos.
A Secretaria recebeu o documento e encaminhou ao setor técnico para avaliação.
Enquanto Osvaldo Cruz tenta em São Paulo medidas que desvinculem o município da realidade de cidades como Marília, Ourinhos e Assis, onde o quadro da pandemia é muito mais grave, Bauru e Tupã anunciam que não vão seguir a fase vermelha do Plano São Paulo de enfrentamento à pandemia.
Na tarde de ontem, a Prefeitura de Tupã disse que hoje edita um decreto onde autoriza a reabertura do comércio.
Mas por que lá em Tupã e Bauru as prefeituras podem determinar a reabertura do comércio e em Osvaldo Cruz não?
É que em Osvaldo Cruz, em maio do ano passado, o então prefeito Edmar Mazucato firmou junto com o Ministério Público local um termo de ajustamento de conduta (TAC) em que compromete que a Prefeitura siga as regras do Plano São Paulo de enfrentamento à pandemia na íntegra, sob pena de pagar uma multa de R$ 30 mil por dia em caso de descumprimento.
Esse termo foi assinado quando no ano passado Osvaldo Cruz editou decreto mais flexível do que o Plano São Paulo.
Assim, enquanto durar a pandemia, a cidade é obrigada a seguir as regras impostas pelo Estado.
Mas enquanto aqui o documento é válido, em Bauru o Promotor de Justiça responsável pela área de Saúde criticou a forma como o Governo do Estado conduz a política de enfrentamento à pandemia.
Fonte: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Osvaldo Cruz
Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.