Ligue-se a nós

Politica

Pedido de vistas em PL da Área Azul gera embate entre Homero Massarente e Roberto Amor

Publicado

no

Vereadores participaram ontem de sessão extraordinária (foto: Pedro Panvéchio/Assessor de Comunicação/Câmara de OC)

A adequação da Lei que regulamenta a Área Azul em Osvaldo Cruz gerou um embate polêmico entre o presidente da Câmara, Homero Massarente (MDB) e o vereador Roberto Amor (PV).

Após a sessão extraordinária desta segunda-feira (8), Homero Massarente, disparou contra o pedido de vistas, proposto pelo vereador Roberto Amor (PV), que solicitou o adiamento da votação do Projeto de Lei (PL) 27/2020, que regulamenta a lei municipal que instituiu a área de estacionamento rotativo, Área Azul.

Suspensa desde março, a lei precisou ser adequada, após o Tribunal de Contas do Estado (TCE) fazer apontamentos de dispositivo irregulares na matéria.

Por isso, na prática, a sessão de ontem não votaria a volta ou extinção da Área Azul, mas sim, os ajustes para que a matéria ficasse em conformidade ao que diz a Lei de Licitações (8.666).

“Nesta lei o prefeito precisa fazer as adequações e comunicar o TCE que a legislação em Osvaldo Cruz cumpre a Lei de Licitações. Só que explicar para uma pessoa que não tem conhecimento jurídico, de Lei de Licitações, e que tudo desconfia do prefeito, fica ruim para a cidade”, disse Homero em entrevista à Rádio Metrópole.

Com o pedido de vistas, o prazo regimental prevê 15 dias para que o tema volte a ser debatido e votado.

“Vamos ser agora o vereador estude um pouco, busque conhecimento técnico e mude de opinião. Eu gostaria que tivéssemos vereadores preparados e comprometidos com o que é legal”, disparou Massarente.

Roberto Amor rebate: “não precisa menosprezar as pessoas

O vereador Roberto Amor (PV) lamentou as declarações do presidente da Câmara de Osvaldo Cruz, Homero Massarente (MDB) que criticou de forma veemente o pedido de vistas solicitado pelo edil do PV.

Também à Rádio Metrópole, o vereador Roberto Amor não gostou da forma como o presidente da Câmara rebateu a situação.

“Eu não concordo com as declarações dele [Homero Massarente]. Eu fiquei muito chateado com a forma como ele esclareceu”, disse Roberto Amor.

Durante a entrevista, Roberto Amor defendeu o pedido de vistas e disse que diante da complexidade do PL, o assunto não deveria ter dado entrada na Câmara em um sessão extraordinária.

“Eu acho que a população e os comerciantes precisam ser ouvidos antes do projeto entrar na Câmara e ser votado. Esse projeto entrou na casa cinco dias antes, não deu tempo de estudar e analisar. A única saída que eu tive foi pedir vistas, para que possamos estudar”, explicou Roberto Amor.

Por fim, Roberto Amor mostrou descontentamento com os trechos da entrevista de Massarente em que o presidente da Câmara insinua que faltou conhecimento técnico para a tomada de decisões.

“Eu não nasci em berço de ouro, sou humilde, simples. Após a oitava série concluí o ensino médio em Telecurso. Se ele [Homero Massarente] teve condições de estudo e hoje é formado em direito, parabéns para ele. Mas não pode menosprezar as pessoas”, disparou Roberto Amor.

Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.