Conecte-se conosco

Destaque

Papa diz a jornal que pediu reunião com Putin sobre Ucrânia

Publicado

em

O papa Francisco disse hoje (3), em entrevista publicada no jornal italiano Corriere Della Sera, que solicitou uma reunião em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, para tentar interromper a guerra na Ucrânia, mas não recebeu resposta.

O papa também afirmou que o patriarca Kirill, da Igreja Ortodoxa Russa, que deu apoio total à guerra, “não pode se tornar coroinha de Putin”.

Francisco, que fez uma visita sem precedentes à embaixada russa quando a guerra começou, disse ao jornal que, cerca de três semanas após o início do conflito, pediu ao principal diplomata do Vaticano que enviasse uma mensagem a Putin.

A mensagem era “que eu estava disposto a ir a Moscou. Certamente, era necessário que o líder do Kremlin permitisse uma abertura. Ainda não recebemos uma resposta e continuamos insistindo”.

“Temo que Putin não possa e não queira ter essa reunião neste momento. Mas como você pode não parar com tanta brutalidade?”

Antes da entrevista, Francisco, de 85 anos, não havia mencionado especificamente a Rússia ou Putin publicamente desde o início do conflito, em 24 de fevereiro. Mas ele tem deixado poucas dúvidas sobre sua posição, usando termos como agressão e invasão injustificadas e lamentando as atrocidades contra civis.

Questionado sobre uma viagem à capital ucraniana Kiev, que Francisco disse no mês passado ser uma possibilidade, o papa disse que não iria por enquanto.

“Primeiro, tenho que ir a Moscou, primeiro tenho que encontrar Putin. Faço o que posso. Se Putin ao menos abrir uma porta”, acrescentou.

 

 

Fonte: Agência Brasil 

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.