Ligue-se a nós

Destaque

Organização Mundial da Saúde considera nova variante da Covid-19

Publicado

no

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou, nesta quarta-feira (9/8), a variante EG.5 do coronavírus como uma “variante de interesse”. A cepa está em circulação nos Estados Unidos, Reino Unido, China, Coreia do Sul, Japão e Canadá.
A EG.5 é uma linhagem descendente da Ômicron XBB.1.9.2. Embora tenha características que conferem maior transmissibilidade, a agência não considera que a cepa represente uma ameaça maior à saúde pública em relação às demais variantes.
“Coletivamente, as evidências disponíveis não sugerem que a EG.5 traga riscos adicionais à saúde pública em relação às outras linhagens descendentes de Ômicron atualmente em circulação”, afirma a OMS, em referência às sublinhagens em circulação desde o final de 2021.
Ela foi identificada pela primeira vez em 17 de fevereiro deste ano e designada como uma variante sob monitoramento (VUM) em 19 de julho. Até segunda-feira (7/8), 7.354 sequenciamentos da EG.5 foram registrados no banco de dados internacional Gisaid.
A maior parte das sequências são da China (30,6%, com 2.247 sequências). Em seguida aparecem os Estados Unidos (18,4%, com 1.356), Coreia do Sul (14,1%, 1.040), o Japão (11,1%, 814), Canadá (5,3%, 392), Austrália (2,1%, 158), Singapura (2,1%, 154), Reino Unido (2,0%, 150), França (1,6%, 119), Portugal (1,6%, 115) e Espanha (1,5%, 107).
Novas recomendações da OMS
A OMS também lançou, nesta quarta-feira, um conjunto de recomendações permanentes para apoiar os países a gerenciar a Covid-19 a longo prazo em sete áreas, com foco na vigilância epidemiológica.
A organização pede que todos os países :
– Atualizem seus programas nacionais para a Covid-19 usando o Plano Estratégico de Preparação e Resposta da OMS;
– Mantenham a vigilância colaborativa para detectar mudanças significativas no vírus, bem como tendências na gravidade da doença e na imunidade da população;
– Relatem os dados da Covid-19 à OMS ou em fontes abertas, especialmente sobre morte e doenças graves, sequências genéticas e dados sobre a eficácia da vacina;
– Continuar a oferecer vacinas, especialmente para os grupos de maior risco, com maior risco de hospitalização ou morte;
– Continuar a iniciar, apoiar e colaborar em pesquisas para gerar evidências para a prevenção e controle da Covid-19;
– Oferecer atendimento clínico ideal para a Covid-19, incluindo acesso a tratamentos comprovados e medidas para proteger os profissionais de saúde e cuidadores;
– Continuar a trabalhar para garantir o acesso equitativo a vacinas, testes e tratamentos seguros, eficazes e de qualidade garantida para a Covid-19.
“A implementação dessas recomendações não apenas ajudará a proteger contra a Covid-19, mas também ajudará os países a prevenir e responder a outras doenças. Não podemos prever o futuro, mas podemos nos preparar para ele”, afirma o líder da OMS.
O professor e pesquisador da Fiocruz Brasilia Eduardo Hage, único representante da América do Sul no comitê responsável pelo relatório, destaca a necessidade de aumentar as coberturas de vacinação em todo o mundo.
Ele comenta que, além do esforço individual de cada país, é necessária uma colaboração entre eles, com apoio da OMS e outras organizações para melhorar o acesso, com o aumento da capacidade mundial de insumos por meio de transferência de tecnologia e conhecimento.
“Algumas regiões e países ainda têm baixas coberturas, principalmente quando se considera a dose de reforço”, lembra Hage.
O professor destaca também a importância de se manter um bom sistema de vigilância para conhecer os passos do vírus e se antecipar ao surgimento de novas variantes.
“A Covid-19 não acabou. Continuamos com contaminação, casos graves e óbitos. Como já ocorreu com outras doenças, quando se tem a redução da transmissão, é necessário intensificar algumas ações. Alguns exemplos são a capacidade de vigilância para detectar casos e sinais de alerta, incluindo o aumento de doenças de causa respiratória”, considera.
Fonte: Metrópoles
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.