Conecte-se conosco

APEOESP

Não às escolas cívico-militares

Publicado

em

 

O governador João Doria decidiu que as escolas estaduais de São Paulo devem aderir ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (PECIM), criado pelo governo Bolsonaro por meio do Decreto presidencial nº 10.004 de 05/09/2019 e regulamentado pela Portaria n. 2.015 de 20/11/2019.

Este programa prevê a instalação das chamadas “escolas cívico-militares” no ensino fundamental e médio, tendo como referência padrões de ensino e modelos pedagógicos empregados por Colégios do Exército, das Polícias Militares e dos Corpos de Bombeiros.

Esse modelo educacional se caracteriza pelo autoritarismo e pela exclusão de estudantes e professores que a ele não se ajustam, ferindo assim o caráter universal da escola pública, direito de todos e dever do Estado.

Caracterizam-se também pelo cerceamento à liberdade de ensinar e aprender, princípio assegurado na Constituição Federal, ao vedar, por exemplo, debates e estudos sobre gênero e diversidade de orientação sexual nas escolas, contrariando decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF).

As escolas cívico-militares atentam contra a missão e as finalidades da vida escolar, ao impor aos estudantes normas típicas da disciplina militar e uma padronização de comportamento pessoal e até mesmo de vestuário. É parte da convivência escolar a liberdade de expressão, a tolerância, a troca de experiências e a livre manifestação da individualidade humana. Este cerceamento se opõe “aos princípios constitucionais de promoção da diversidade e liberdade, além de tolher o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas ao também uniformizar as práticas e concepções pedagógicas possíveis de serem implementadas no interior da escola”, como alerta o documento publicado pela Congregação da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, contrário à adesão do Estado de São Paulo às escolas cívico-militares.

Votem contra as escolas cívico-militares*

Desta forma, orientamos todas as professoras e professores da rede estadual de ensino a tomarem posição contra essa adesão na consulta que está sendo realizada nas escolas estaduais.

Somos contra a adesão a esse programa de cunho autoritário e defendemos a educação pública, gratuita, laica, de qualidade para todos e todos.

O que a rede estadual de ensino precisa é de mais investimentos, melhores condições de trabalho, valorização salarial e profissional dos trabalhadores em educação, não de escolas cívico-militares

 

 

Fonte: APEOESP (Informa Urgente 20/2021)

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.