Ligue-se a nós

Destaque

Juiz de direito afastado do cargo por suspeita de faltar ao trabalho é preso no interior de SP

Publicado

no

O juiz de direito Wellington José Prates, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Araçatuba (SP), foi preso na tarde de quarta-feira (5) em cumprimento a uma ordem de prisão preventiva expedida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).
O juiz foi preso no rancho dele, localizado em uma cidade da região de Araçatuba, por uma equipe composta por um membro da polícia, Ministério Público e TJ.
O motivo da prisão não foi informado pelo Tribunal de Justiça. Porém, Wellington estava afastado do cargo desde dezembro de 2021 e respondia a um processo disciplinar por uma série de irregularidades.
Segundo a apuração inicial da corregedoria do Tribunal de Justiça, era comum que ele faltasse ao trabalho às quintas e sextas-feiras, e também não exercesse as funções em home office. Nestas ocasiões, os demais funcionários do Fórum faziam atividades competentes ao juiz.
Outro ponto apurado pela corregedoria é que, para emitir decisões de condenação ou absolvição, o juiz se limitaria a corrigir minutas sem consultar aos processos. Além disso, os servidores presidiam audiências judiciais e, usando o acesso digital do juiz, teriam elaborado e assinado decisões sem a conferência do magistrado.
Em nota, o Tribunal de Justiça de São Paulo afirmou que o Órgão Especial determinou a prisão e a Presidência expediu os mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva, que foram cumpridos. Disse também que o procedimento tramita em segredo de Justiça e o Poder Judiciário tomou todas as medidas necessárias para a apuração dos fatos.
Fonte: G1
Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.