Ligue-se a nós

Cidades

Eleições municipais deste ano podem vir a ser adiadas por dois meses

Publicado

no

Uma proposta em análise no Senado altera a constituição para atrasar todo o calendário eleitoral em dois meses.

A PEC muda as disposições transitórias da Constituição para empurrar todo o calendário eleitoral de 2020 dois meses para a frente, a começar pelas convenções partidárias, que têm começo marcado para 20 de julho.

São nas convenções que as legendas definem quais candidatos vão para a disputa, e a discussão é se com a pandemia do coronavírus, haverá condições para que isso seja feito sem aglomerar pessoas. E, no pior dos cenários, caso até outubro a crise sanitária não esteja contida, a votação não poderia ser feita sem expor os eleitores, alerta a senadora Soraya Thronicke, do PSL de Mato Grosso do Sul.

“A ideia é que os cidadãos possam ir às urnas com serenidade, cautela. Não podemos expor as pessoas e precisamos garantir que elas estejam devidamente envolvidas no processo de escolha dos seus representantes, o que neste momento é realmente muito difícil. O próprio ministro Barroso admite que caso seja necessário adiar as eleições por causa da pandemia, que seja pelo mínimo inevitável”, disse a senadora.

Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, admitiu que a corte já trabalha com a possibilidade das eleições serem feitas em 15 de novembro e 4 de dezembro, mas isso ainda depende da análise de especialistas em saúde e também do diálogo com o Congresso Nacional.

Uma das maiores preocupações é que os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores não sejam estendidos devido ao atraso, e que os novos eleitos tomem posse em 1º de janeiro. O presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, defende um diálogo interinstitucional antes de qualquer decisão sobre adiamento.

“Qualquer alteração, qualquer mudança nesse processo todo tem que ser feita com a participação do Parlamento brasileiro. Esse será um ambiente muito produtivo, de muito debate, de muita construção, que será feito a várias mãos, esse caminho de saída para que a democracia saia fortalecida desse processo mas ao mesmo tempo tendo os cuidados necessários para que a gente possa preservar a vida das pessoas, dos cidadãos brasileiros”, garantiu Alcolumbre.

A eleição está marcada para os dias 4 e 25 de outubro. A PEC em análise, encabeçada por José Maranhão, do MDB da Paraíba, estabelece como novas datas os dias 6 e 27 de dezembro, primeiro e último domingos do mês. O restante do calendário também será adiado, e oficializado pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Rádio Senado

Continuar Lendo
Publicidade
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.