Conecte-se conosco

Destaque

Agente penitenciário é condenado a 27 anos de prisão pelo assassinato de ex-namorada em Adamantina

Publicado

em

O homem acusado de matar a ex-namorada, de 30 anos, e abandonar o corpo dela em um canavial foi condenado a 27 anos de prisão em júri popular nesta quarta-feira (7), em Adamantina (SP).

Tiago Pina cumprirá a condenação em regime fechado pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, segundo a juíza Ruth Duarte Menegatti, que conduziu o julgamento.

Ainda foi negado a Pina o direito de recorrer da decisão em liberdade.

O G1 não conseguiu contato com a defesa do agente penitenciário.

O caso

Vanessa Maciel, de 30 anos, foi encontrada morta na noite do dia 27 de maio de 2019 em meio a um canavial que fica numa área ao lado da estrada que dá acesso ao bairro Lagoa Seca, na zona rural de Adamantina. Então suspeito de ter cometido o crime, o ex-namorado da vítima foi preso na capital paulista também na noite do dia 27 de maio.

O caso foi registrado como feminicídio.

O delegado da Polícia Civil Rodrigo Pigozzi informou na época do crime que, em primeira análise, foram constatadas três perfurações no corpo da vítima.

O suspeito, que é agente penitenciário, foi namorado da mulher por cerca de nove anos.

A família da mulher não tinha notícias dela desde as 17h do dia 26 de maio, conforme informou o delegado na época. No dia seguinte, um Boletim de Ocorrência de desaparecimento foi registrado na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e as apurações tiveram início.

‘Inconformado’

Na época do crime, os parentes da vítima relataram à polícia que ela havia rompido um relacionamento havia algum tempo e que o ex-companheiro dela não aceitava a separação.

A partir disso, a polícia começou a investigar o agente penitenciário e recebeu informações de que o homem havia passado o fim de semana em Adamantina, tentando reatar com a vítima.

O rapaz teria chegado em sua casa por volta das 19h do dia 26 de maio de 2019, “tomado um banho apressado, usado um aspirador de pó para limpar o carro e, depois, viajado para a capital paulista”.

De acordo com o delegado, o comportamento chamou a atenção e, por isso, foi encaminhado um ofício ao 81º DP, em São Paulo (SP), para a apreensão do celular e do veículo do suspeito.

Quando as equipes policiais chegaram ao local de trabalho do agente penitenciário para fazer a apreensão, o homem confessou o crime, ainda segundo Pigozzi.

O agente penitenciário ainda disse que não sabia explicar onde havia deixado o corpo, mas depois deu algumas informações que ajudaram na localização do cadáver.

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.