Conecte-se conosco

APEOESP

A luta contra o PL 529 não acabou

Publicado

em

Quatro empresas e verbas das universidades e pesquisa foram preservadas graças à mobilização

Nesta quarta-feira, 14/10, a Alesp completou o processo de votação do PL 529, aprovando destaque que retirou da extinção o Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP), a Fundação Oncocentro, o Instituto de Medicina Social e de Criminologia de São Paulo (IMESC) e a Fundação para o Remédio Popular (FURP). Retirou também o confisco de verbas das universidades e da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

 

 

Resultado da mobilização

A mobilização do funcionalismo público, na qual a APEOESP teve papel destacado, e dos movimentos sociais, aliada ao trabalho parlamentar, impediu, durante pelo menos três semanas, a aprovação deste projeto. Lutamos pela rejeição total ou retirada do PL 529. Foi essa resistência que criou a necessidade para o governo Doria de recuar em alguns pontos para conseguir o número mínimo de votos para a aprovação deste projeto que desmonta serviços públicos fundamentais para a população paulista.

 

 

O PL também aumenta o valor das contribuições dos servidores para o IAMSPE, penalizando os mais idosos.

Apesar das negociações feitas na calada da noite, sem o conhecimento dos demais parlamentares, a não extinção das quatro instituições acima citadas não pode ser reivindicada como conquista pessoal de nenhum deputado ou deputada. É produto da luta, e a luta é coletiva.

 

Ações judiciais e CPI

Toda a tramitação deste projeto foi marcada por irregularidades. Desde a nomeação de relator especial para evitar qualquer debate, a não convocação de audiência pública, a convocação de sessões extras sem prévio aviso até denúncias de pressões e compra de votos envolvendo promessa de liberação de verbas em emendas parlamentares.

Por isso, a liderança da minoria, tendo à frente a deputada Professora Bebel, Presidenta da APEOESP, e as lideranças de oposição, como PT, PSOL e PCdoB, assim como outros partidos que votaram contra o projeto irão protocolar um pedido de CPI para investigar essas denúncias. Além disso, diversos parlamentares e partidos estão ingressando com representações e ações judiciais para questionar as inconstitucionalidades do projeto aprovado

 

 

Fonte: APEOESP (Informa Urgente 119)

Continue lendo
--Publicidade--
Clique para comentar

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.